blog

Fotografando com lentes antigas

Com frequência ouvia falar de fotógrafos que usam lentes antigas. Entrei então num grupo do Facebook cujos membros costumam usar lentes antigas em máquinas novas, porém no início não imaginava que pudesse obter algum resultado legal sem muito trabalho. Pensava em questões como o encaixe da lente antiga na câmera nova, o foco obrigatoriamente manual e, além disso, a dificuldade de medir a luz. Acreditava que como a máquina não "saberia" a abertura correta, o processo teria que ser na base da tentativa e erro até conseguir equilibrar a tríade (iso, abertura, velocidade) para poder tirar uma foto com a exposição correta.

A Nikon desenvolveu um processo simples, que viabiliza o encaixe de lente e equipamento de períodos diferentes. Desta forma, é possível usar algumas lentes antigas (sem CPU, da época do filme) em máquinas novas e lentes novas (feitas para as máquinas digitais) em máquinas antigas.

Um grande amigo tem uma lente que foi produzida em 1977 e já usava na sua Nikon D7000. Resolvi me arriscar e testá-la. Acabei descobrindo que nos modelos posteriores àquele ano, dotados da tecnologia AI (alavanca de indexação), a câmera podia identificar a abertura da lente quando o anel de abertura fosse rotacionado. As câmeras atuais fazem a mesma identificação, desde que previamente a lente seja cadastrada especificando a distância focal e a abertura máxima da lente.

A lente que testei foi a Nikkor 200mm f/4 AI. Após cadastrá-la, as únicas diferenças em relação às lentes automáticas correspondem à necessidade de ajustar a abertura e o foco na própria lente (girando-a até a posição desejada). Focar com ela foi super tranquilo, mesmo sendo sempre manual. O anel de foco é um pouco mais duro e o movimento de rotação é bem macio.


FOTOGRAFANDO COM ELA:

Esta lente não tem estabilizador, então em velocidades baixas é muito difícil fotografar sem captar o tremor do movimento na foto. As imagens que fiz abaixo foram feitas com velocidades acima de 1/400 s em um dia ensolarado. Achei que a aberração cromática era bem forte, mas isso pode ser corrigido no Adobe Lightroom 5 com um clique apenas. Não percebi distorções elevadas.

Nas condições em que tirei as fotos elas praticamente saíram da máquina prontas. Fiquei muito impressionado com a qualidade óptica, as cores vivas extraídas e a excelente nitidez de uma lente com tanto tempo de uso, por mais que estivesse cheia de fungos.

EIS O RESULTADO: